Festas e Romarias

Em Guilhofrei ainda se realizam várias festividades de cariz religioso e profano, tão marcantes e do gosto e devoção do povo da terra que não deixa os seus créditos por mãos alheias, sem esquecer a prática dominical e das comemorações litúrgicas que a igreja festeja ao longo do ano. Estão incluídas nestas últimas as que dizem respeito ao advento, ao Natal, à Quaresma com o seu cariz de “desobriga”, à Páscoa, ao mês de Maio, ao mês das almas, entre outras, bem como as que concernem às devoções aos vários santos preferidos que, ao longo dos tempos, vêm sendo praticadas habitualmente e com grande fervor.

O “Dia do Senhor” é a prática mais marcante e identificadora do verdadeiro católico e que, por isso, lhe chamam o seu “Bilhete de Identidade”. Na verdade, ele é o ponto de referência maior do cristão, ou seja, é “o dia que o Senhor fez” com a Sua ressurreição. Celebrar o domingo, para o cristão consciente de o ser, não é uma questão de gosto, de ter ou não disposição, etc; Se não houver quem anuncie a Boa Nova numa comunidade de crentes, reunidos em assembleia Cristã, ao domingo, tudo o mais será, a prazo, letra morta. Por isso, a Igreja tem confirmado, ao longo dos tempos, a importância de os seus filhos permanecerem fiéis à celebração do domingo, pois sabe que da fidelidade a este encontro com cristo e com os irmãos e com os irmãos, na celebração da Eucaristia, brota toda a vida cristã; Ela é a fonte e o cume de toda a vida cristã.

Ora, a gente de Guilhofrei nunca esqueceu “prática” vital da sua vida de crente.

Das romarias e festas populares infere-se que este povo é, por essência, religioso e alegre. Em Guilhofrei não mora, nem vinga a melancolia ou qualquer outro tipo de tristeza.

Das festas religiosas mais marcantes nesta paróquia destacam-se:

  • S. Tiago – Padroeiro da Freguesia (25 de Julho e/ou fim-de-semana mais próximo)

  • S. Silvestre (2.º domingo de Maio)

  • Senhora de Fátima (2.º domingo de Agosto)

  • Senhora de Lurdes (último domingo de Dezembro).